• Flô Slow

Um Guia Prático de Tecidos Sustentáveis


Quer arrasar com um look que tenha menos impacto no meio ambiente? Fique de olho nos tecidos que compõem suas peças na hora de comprar!



A grande maioria dos tecidos usados na cadeia produtiva da moda são extremamente nocivos tanto para o meio ambiente, quanto para quem trabalha na produção, mas também para quem usa a peça. A quantidade de água potável e químicos usados durante o processo é assustadora. Mas não se engane, não é porque um tecido é de fibra dita natural, como o algodão e a seda, que eles são mais sustentáveis do que os artificiais. O algodão convencional, um dos tecidos mais populares na indústria têxtil, é um dos melhores exemplos.


Outros tecidos extremamente poluentes são o poliéster, a poliamida e o acrílico. Por serem fibras feitas a partir do petróleo, elas são responsáveis por liberarem microplásticos durante a lavagem. Esses milhares de microplásticos acabam parando no oceano e sendo ingeridos por animais marinhos, e consequentemente voltando para nós através da cadeia alimentar.


Nos últimos anos, vimos um grande boom na conscientização do quanto a sustentabilidade é realmente essencial para garantirmos a nossa própria condição de vida aqui na Terra. Com isso, cada vez mais vemos consumidores conscientes que têm se questionado sobre o impacto da indústria da moda. Esse questionamento nos leva a preocuparmo-nos com aquilo que vestimos, aumentando assim a procura por peças sustentáveis.


E como a base de qualquer peça é o tecido, para haver moda sustentável, temos que ter primeiro um tecido sustentável. Mas afinal, o que é um tecido sustentável?




O que torna um tecido sustentável?

Também conhecidos como 'eco-friendly', os tecidos sustentáveis causam menos impactos ao meio ambiente, desde a sua fabricação até a reutilização dos materiais, e geralmente são provenientes de fontes orgânicas ou renováveis e comercializadas de forma justa.

No entanto, hoje também já existem fibras artificiais feitas a partir da celulose de uma base natural que são de baixo impacto, recicláveis e biodegradáveis. O modal e o Liocel são ótimos exemplos.


Além disso, também já existem fibras sintéticas biodegradáveis no mercado, que a fim de se decomporem em muito menos tempo, essas são alteradas quimicamente.


Por isso, quando for comprar uma peça nova, sempre olhe a composição na etiqueta e pergunte-se:

  • O processo de produção do tecido em questão impacta muito o meio-ambiente?

  • São usados produtos químicos no desenvolvimento do tecido?

  • São fibras biodegradáveis e recicláveis?


Outro ponto importante a ser considerado é o tipo de acabamentos e tingimentos que os tecidos levam. Diversos tratamentos têxteis sempre contam com o uso de produtos químicos, como é o caso do tingimento. No entanto, hoje existem novos métodos que causam impacto mínimo. Hoje marcas mais sustentáveis procuram usar tingimentos naturais e processos de baixo impacto, ou simplesmente manter a cor natural da fibra. Fique atento!



Confira abaixo alguns dos nossos preferidos!




Algodão Orgânico


Uma ótima alternativa ao algodão convencional, tão popular no mundo da moda, apesar de ser também um dos tecidos mais prejudiciais ao meio ambiente e à saúde, tanto de quem cultiva essa fibra natural, quanto de quem a veste, assim como a saúde do solo no qual é plantado. De fato, o algodão convencional usa uma grande quantidade de agrotóxicos, de água e de energia tanto durante o plantio da fibra, quanto durante sua produção.


Opte pelo algodão orgânico que é um tecido sustentável livre de agrotóxicos e pesticidas e é 46% menos prejudicial ao meio ambiente do que o convencional. Mas vale a observação de que o algodão, mesmo que orgânico, consome uma quantidade considerável de água e energia para ser produzido. Existem hoje opções ainda mais sustentáveis do que essa!



Linho


Um dos tecidos mais nobres que existe, o linho é uma fibra extraída do talo de uma planta que possui o mesmo nome. Além de ser muito resistente, durável, macio e sofisticado, o linho não requer nenhum tipo de agrotóxico duranteseu processo de fabricação e não demanda muito água para o seu cultivo.



Cânhamo


O cânhamo é uma planta que possui diversos benefícios para o meio ambiente. De fato, para além de ser um tecido 100% natural, ele ainda cresce muito rapidamente em qualquer tipo de solo, precisa de pouca atenção e água, e ainda é anti-fúngico e bloqueia os raios UV.



Liocel


Originado na polpa de madeira, o liocel é uma fibra biodegradável que usa solvente reciclado no seu processo de produção. Esse solvente não é corrosivo, nem tóxico, além de se conseguir recuperar 99,5% de produções anteriores e não ser perigoso para o meio ambiente.



Modal


O modal é uma fibra proveniente da casca da madeira e tem um processo de fabricação parecido com o Liocel. É um tecido muito macio que não desgasta, mesmo depois de muitas lavagens e consome de dez a vinte vezes menos água do que o algodão convencional.



Muskin


O Muskin é um tecido muito resistente feito a partir de cogumelos e é um substituto natural à camurça. Por não possuir produtos químicos no seu processo de fabricação, o Muskin pode fabricar peças que estão diretamente em contato com a pele, sem gerar nenhum risco para a saúde humana.



Couro de Abacaxi


Este tecido é fabricado a partir das fibras das folhas do abacaxi e é semelhante ao couro. Por ser um aproveitamento de parte de um produto da indústria agrícola, os gastos e a água utilizada são mínimos.



Seda de Laranja


Esse tecido provém da celulose do bagaço da laranja, reaproveitada da indústria de suco de laranja. Apesar de ser fabricada de maneira sustentável, é um tecido muito parecido com a seda convencional.