• Flô Slow

Autocuidado na prática: qual é a real importância de cuidar do seu bem-estar?


Muito se fala sobre rituais de autocuidado, mas será que realmente estamos nos cuidando como deveríamos? Por que praticar o autocuidado é tão importante para o nosso bem-estar? Vem com a gente e descubra qual é sua relação com autoestima, autoconfiança, autoconhecimento e qualidade de vida.



O termo autocuidado, que já vem sendo muito usado nos últimos anos, simplesmente explodiu em 2020, momento no qual o mundo parou e uma eterna quarentena se iniciou.


O boom da hashtag #autocuidado vem acompanhada, na grande maioria das vezes, de uma foto compartilhando um momento skincare ou um spa day. Por isso, não é de se espantar que muitos associam autocuidado com ritual de beleza.


Mas será que autocuidado se resume a isso?



Afinal, o que é Autocuidado?


Autocuidado é investir tempo em você, no seu bem-estar. É o ato de cuidar de si, de cuidar da sua mente, da sua saúde, do seu bem-estar, do seu corpo, do seu emocional, da sua espiritualidade, da sua alma. É cuidar de você num todo, não só do seu corpo.

Em uma visão macro, autocuidado é o conjunto de todos os hábitos do nosso cotidiano que têm como intuito nos proporcionar maior qualidade de vida. Já em uma visão mais micro do termo, autocuidado é incluir em sua rotina momentos de conexão consigo mesma. Momentos nos quais você tira tempo para si e se coloca como sua própria prioridade e se permite fazer algo por você e para você, de fazer aquilo que você gosta, que te faz feliz, pensando unicamente no seu bem-estar.


Autocuidado vai além do prazer imediato, seu propósito é principalmente promover saúde e bem-estar a longo prazo. Quando fazemos algo que trará apenas uma gratificação imediata, um prazer momentâneo, se trata de autoindulgência, e não autocuidado. Cuidar de si, do seu corpo físico, mental e espiritual, te permitirá viver uma vida com muito mais qualidade, disposição e, consequentemente, feliz.


O que você pode fazer hoje que o seu Eu do futuro irá te agradecer?


Um ritual de beleza até pode ser uma forma de autocuidado, caso isso realmente te faça sentir bem e em paz, e não tenha como motivação aspectos sociais - fazer porque está todo mundo fazendo, por imposição social ou para poder postar nas redes.


A motivação é um importante indício se é ou não autocuidado em essência. Se te promove paz e bem-estar, é autocuidado. Por isso, é importante entender que autocuidado é algo muito pessoal e varia de pessoa para pessoa. Depende dos seus gostos, dos seus interesses, do que você valoriza, dos seus objetivos e das suas prioridades vida.



Sendo assim, autocuidado pode ser muita coisa:

  • ler um bom livro

  • comer algo que tenha memória afetiva

  • praticar uma atividade física que você goste

  • meditar

  • caminhar ao ar livre e respirar ar puro

  • dançar, cantar, tocar um instrumento musical

  • preparar uma comida saudável e saborosa

  • encontrar amigos queridos

  • estudar um assunto de grande interesse

  • assistir um bom filme, etc.



Autocuidado é também saber se preservar. É saber dizer não para uma situação que te deixa desconfortável. É ter coragem de se afastar de pessoas e hábitos que não te fazem bem. É estabelecer limites.


Autocuidado não existe sem autoconhecimento. Pois é se conhecendo que você consegue honrar o seu bem-estar de acordo com aquilo que você valoriza.



Cuidar de si não é egoísmo


A prática do autocuidado precisa ser desmistificada. Diferente do que muita gente pensa, autocuidado não é uma forma de egoísmo, e sim uma forma de se fortalecer e aumentar a sua capacidade de ajudar o outro. Afinal, como podemos ajudar o próximo sem antes estarmos bem com nós mesmos?


Por se ter uma compreensão errada de seu real significado, muitos não conseguem enxergar a importância que o autocuidado tem em nossas vidas. Algumas pessoas, principalmente mulheres, sentem inclusive culpa de colocarem seu bem-estar como uma prioridade. Focam tanto em cuidar dos outros, que acabam esquecendo de si mesmas. Abrem mão de seu autocuidado em prol do outro, chegando assim a um esgotamento físico e mental.


Não podemos esquecer que só se consegue doar aquilo que se tem sobrando. Por isso, é necessário criar o hábito de recarregar suas próprias baterias. E como se faz isso? Tirando um tempo para si, para se cuidar e se dedicar ao seu próprio bem-estar.


Autocuidado é buscar se cuidar por amor a si, mas também ao próximo. Pois, para conseguirmos ser bons para os outros, precisamos primeiro estar bem. Praticar o autocuidado é a sua máscara de oxigênio: cuide primeiro de você, para depois conseguir cuidar do outro.


É preciso saber estabelecer limites sem culpa, pois não se trata de egoísmo, mas de sobrevivência. Por isso, é hora de desapegar da culpa que se sente na hora de dedicarmos um tempo para seu bem-estar.



Não existe autoestima sem autocuidado


É impossível se falar de autoestima sem se falar de autocuidado.


Autoestima é saber o seu valor, é se aceitar e se amar do jeito que se é. Por isso, uma pessoa com autoestima elevada emana confiança em suas ações, opiniões e decisões. Ela confia em si mesma e no seu potencial, ela busca melhorar por amor a si mesma. Autoestima é autoamor.


Investir tempo e dar atenção para si mesma, demonstra que você sabe que você é merecedora e digna dessa dedicação e desse tempo. Ao se cuidar, você envia uma mensagem ao seu subconsciente de que você merece esse bem-estar, contribuindo assim para uma autoestima mais elevada.


Quando vivemos em função dos outros, doando o nosso tempo integralmente ao próximo, acabamos por ignorar totalmente as nossas vontades, desejos e bem-estar. Aos poucos, esse hábito de não se colocar como prioridade vai minando a nossa autoestima. Da mesma forma, quando nos importamos demais com a opinião alheia e vivemos uma vida em função do que os outros pensam, ao invés daquilo que nós verdadeiramente ansiamos, acabamos destruindo a nossa autoestima, amor próprio e autoconfiança. É um caminho que leva direto à frustração e à infelicidade.


São nas pequenas ações diárias que construímos a nossa autoestima. Desde o que comemos, o que vestimos e o cuidado que temos com nossa pele, até aquilo que falamos e pensamos sobre nós mesmos. Na verdade, tudo aquilo do qual nos nutrimos impacta na nossa autovalorização - o que lemos, assistimos, conversamos, pensamos, ingerimos.


Algumas ações não saudáveis que temos no nosso dia a dia, quando em excesso, acabam na maioria das vezes diminuindo a estima que temos de nós mesmos.



Autoconhecimento e autocuidado


Autoconhecimento e autocuidado são intimamente interligados. Além de ser uma forma de autocuidado, o autoconhecimento é também essencial para que saibamos cuidar de nós mesmos da forma mais adequada. Pois, é se conhecendo que você consegue honrar o seu bem-estar de acordo com aquilo que você valoriza.


A autoanálise é uma peça fundamental para que se tenha consciência de quem somos verdadeiramente em nossa essência, para compreendermos nossos valores e prioridades na vida, para entendermos o que realmente nos faz sentir bem, feliz e em paz. É através dela também que somos capazes de identificar situações e hábitos que não nos fazem tão bem assim e que precisam ser repensados. O autoconhecimento é essencial para conseguirmos impor limites e investir nosso tempo de forma coerente com aquilo que valorizamos.


Para colocarmos o autocuidado em prática na nossa rotina, precisamos primeiro nos perguntar: o que eu preciso no meu dia a dia para me sentir bem? Que vida eu quero construir? O que eu preciso colocar em prática hoje para eu me tornar a pessoa que eu quero ser no futuro?


O futuro é construído no agora. A melhor forma de se cuidar, é buscar alinhar sua rotina com os seus objetivos, valores, prazeres e prioridades.



Autocuidado e qualidade de vida


A partir do momento que conseguimos enxergar que ao se procurar autoconhecimento e praticar autocuidado melhora a autoestima, percebemos também que aumenta a nossa autoconfiança e, consequentemente, potencializa o nosso poder de tomada de decisões. Por isso, o autocuidado beneficia a nossa qualidade de vida, pois nos sentimos mais preparados e confiantes para encarar os desafios da vida.


Vale ressaltar que o autocuidado tem 3 níveis de benefício: curto, médio e longo prazo. Você se sente bem no momento em que está se cuidando. Depois, com o passar das semanas cultivando esse mesmo hábito, você sente maior bem-estar. E por fim, com o passar das décadas, você ganha consideravelmente em qualidade de vida.


Por exemplo, se você gosta de dançar, ao fazer uma aula de dança, você sente prazer no momento da prática. Ao incluir a dança em sua rotina, dentro de algumas semanas, você sentirá um aumento de bem-estar e maior disposição. Por fim, essa prática te permitirá ter maior mobilidade e saúde ao chegar na terceira idade.


Qualidade de vida proporciona maior saúde, tanto física quanto mental, aumentando a nossa sensação de bem-estar.



Autocuidado vai muito além de fazer skincare e cuidar da aparência, é cuidar do seu corpo físico, mental e espiritual. É priorizar a sua saúde e bem-estar. É estar alinhada com a sua essência no dia a dia. Portanto, autocuidado é tudo menos supérfluo.
Cuidar de si aumenta a autoestima, a autoconfiança, o amor próprio e traz qualidade de vida e bem-estar. Além disso, quando nos cuidamos, fortalecemos e aumentamos a nossa capacidade de ajudar o próximo.
Por isso, trate de desapegar dessa culpa e vá se cuidar e dedicar tempo para a pessoa mais importante da sua vida: você. Afinal, você merece!